Programa Incendeia Minha Alma

Todo sábado a partir das 13:00 hs Na Emissora Rural AM - 730.

Venha conosco louvar ao Senhor

Toda quinta ás 19:30 Na Paróquia Nossa Senhora Aparecida.

Comunidade Viva Chama

Vocação Vivachama

A Comunidade Viva Chama Precisa de você!

Contribua com a nossa obra de evangelização, Venha e conheça os nossos projetos e ajude-nos com a sua contribuição .

Jesus Manso e humilde de coração...

...Fazei de nossos corações semelhantes ao vosso!

sábado, 16 de julho de 2016

Precisamos recuperar a simplicidade do Espírito Santo!


No capitulo 18 do evangelho de Lucas, Jesus nos da as criancinhas como exemplo de salvação, "Deixai vir a mim as crianças, porque delas é o Reino dos Céus". Assim Jesus nos convida a viver no Espírito Santo a simplicidade de uma criança, sem malícia, que brinca se diverte sem se preocupar com o amanhã, as vezes por conta das diferenças até se estranha e briga com o coleguinha, mas logo fazem as pazes e retomam a brincadeira.
Precisamos recuperar a simplicidade do Espírito Santo! A vida em caminhada principalmente das pessoas que já receberam o batismo no Espírito Santo, em determinado momento se torna uma rotina e assim nossos gestos e ações se tornam meio que mecânicas, previsíveis e nos afastam de nós mesmos. O Espírito Santo que antes dava discernimento para superar as diferenças e realizava tudo, agora se afasta e o nosso humano começa a agir. Aos poucos esquecemos que o batismo no Espírito Santo precisa ser renovado a cada dia, com a suplica diária da presença do Deus invisível ou nas orações comunitárias onde os irmãos impõe as mãos uns sobre os outros. Com o passar do tempo perdemos a graça de crer que Deus que também habita no irmão e somente por amor ao próximo é que conseguiremos a salvação. Recuperemos então esta simplicidade nos tornando o menor, aquele que serve a todos, sejamos Pobres, castos e obedientes assim como foi nosso Senhor Jesus Cristo.

João Paulo - Ministério de Formação Viva Chama.
  

Os sonhos de Deus são maiores que os teus, por isso vale apena acreditar! Mt 8 5-17



Todos temos sonhos, quem aqui não tem um Sonho? Todos temos objetivos na vida, seja material de possuir um bem ou pessoal de criar os filhos dar boa educação, por exemplo. Existem ainda muitos que Sonham em ter saúde, sabemos como é grande a fila nos hospitais de pessoas que esperam um transplante, um tratamento, outros sonham em ser libertados, seja de uma prisão, uma cadeia, ou de um vicio. Os sonhos são criações da nossa mente, do nosso cérebro que capta tudo aquilo que vemos e vivemos e forma uma realidade virtual, uma realidade que não é palpável, uma realidade onde tudo é possível. Esses são os nossos Sonhos. Mas quais são os sonhos de Deus? Os sonhos de Deus são maiores que os teus. Meus irmãos o grande sonho de Deus se chama “ser humano” o homem, a criação divina. Todos nós somos filhos amados de Deus, “por isso ele enviou o seu filho Jesus” para nos resgatar a preço de sangue.
E hoje eu estou aqui pra dizer que os sonhos podem ser realizados, mas como? Através da fé!
A carta de São Paulo aos Hebreus vem dizer que “A fé é a certeza daquilo que ainda se espera, a demonstração de realidades que não se veem.” A palavra que refletimos hoje demonstra a fé do Centurião romano, um oficial que vem pedir pelo seu criado. Veja bem naquela época o centurião era um oficial, um comandante que muitas vezes tinha que ser hostil, pra cumprir as ordens de Cesar maltratava e castigava os seus servos. Não era o caso do oficial que veio a Jesus implorar pela cura do seu servo, antes da fé ele teve compaixão por aquele criado que sofria com uma enfermidade, primeiro ele amou aquele que era o seu próximo, e por amor a esse servo ele vai atrás de Jesus.
“Ao ouvir isso Jesus ficou admirado e disse aos que estavam seguindo: em verdade, vos digo: em ninguém em Israel encontrei tanta fé”.  
Deus enviou Jesus primeiramente a Israel, terra prometida, mas em toda sua caminhada Jesus encontra a pessoa que tem a maior fé no meio dos romanos, um centurião. Se Deus tem um grande Sonho, Jesus Cristo é o grande realizador desse Sonho, claro que Jesus não é um conto de fadas onde se faz um desejo e ele prontamente atende. Todos as pessoas que procuraram Jesus, em todos Ele observava o tamanho da sua fé, esse era o principio para que aquilo que vinham pedir a Jesus fosse atendido. Tendes Fé, a tua fé te curou. 
Por isso fecha teus olhos, e pensa, qual é o teu sonho? O teu sonho vem para edificação da tua família, da tua casa, do teu próximo? Será que ele coincide com o sonho que Deus tem pra você?  Ou será um mero capricho da sua vontade. Pense bem.
 Os sonhos de Deus são maiores que os teus, por isso vale apena acreditar! “Mas Senhor eu não sou digno que entres em minha morada”. “Eu sou um pobre coitado, só tu Senhor me conheces”!
 É certo de que temos muitos pecados, mas ainda há tempo de se converter! Ainda há tempo de perdoar, ainda há tempo para compaixão daquele que esta próximo. Ao nosso lado nos temos tantas pessoas que passam por dificuldades em nem se quer olhamos pra elas, aquele comandante, teve esse olhar, aquele homem que como bom militar tinha que ser rígido, e bom comandante, teve coração! Quando viu seu cervo que precisava da sua ação ele logo prontamente o atendeu e foi correndo atrás de Jesus. A quem você tem recorrido nessas horas de aflição? Somente Jesus tem palavras de vida eterna, somente com Deus a nossa felicidade será completa. Você tem quebrado o seu coração? Você alguma vez já desceu do salto, para ajudar um necessitado? O centurião fez isso, partiu com a certeza de que aquele homem era Realmente o filho de Deus, certamente já tinha ouvido falar dos seu prodígios da suas curas, e por isso ele foi até Jesus com a certeza de que seu cervo seria curado. Você tem essa certeza? De que os problemas que enfrentamos não são maiores do que o que Deus tem planejado para nós. Deus tem um projeto para mim e para você, a vida eterna. Mas primeiro é preciso conquistar aqui na terra o céu que nos espera. É preciso superar as aflições que esse mundo proporciona, é preciso acreditar o que o filho de Deus veio pra perdoar os nossos pecados foi crucificado, morto e ressuscitado, para nos mostrar que somos capazes de alcançar o céu. Agora aguardamos a sua volta para julgar os nossos atos e carimbar o nosso passaporte para a vida eterna. Esse é o Sonho de Deus esse é o seu projeto de salvação.
“Em verdade, vos digo: em ninguém em Israel encontrei tanta fé”. Ora eu vos digo: muitos virão do oriente e do ocidente e tomarão lugar a mesa do reino dos céus, junto com Abrão Isac e Jacó...
Esses somos nós, a quem também e reservada a graça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo. Ele que subiu aos céu mas esta conosco através do Espírito Santo. Por isso tendes fé, acredita no Deus do impossível, não o que se passa na sua vida nesse momento, talvez você esteja triste, ou com medo de tantos problemas. Mas nãos esqueça que os Sonhos de Deus são maiores que os seus! Acredite, não desista de viver, não desista da cura, não desista da libertação, não desista da realização de tudo que é além de um simples sonho, de tudo que é necessidade na tua vida. alegre se, por que hoje a graça de Deus invade a sua casa o seu trabalho, glorifique a Deus, de graças pela sua vida, e ore por aqueles que estão necessitados da cura que Jesus prontamente realizará pela tua fé.
Louvado seja nosso senhor Jesus Cristo!   

João Paulo - Ministério de Formação Viva Chama

Tenha fé nos momentos difíceis. (Mateus 14,22-23)



Começo esta reflexão, te perguntando.
Você tem medo de fracassar? Tem medo de ficar sozinho ou de perder pessoas queridas?...
A leitura vem nos falar que Jesus após despedir-se da multidão, subiu sozinho ao monte pra rezar. E entre as três e ás seis da madrugada foi até os discípulos andando sobre as águas. Os discípulos ficaram apavorados com medo.
Ás vezes acontece isso nas nossas vidas. Passamos a remar contra a maré, em algumas crises passamos a duvidar da presença de Jesus. Até queremos sinais. O momento de aflição é tanto que Deus responde aos nossos sinais, mas não os enxergamos e continuamos com medo. Então a nossa Fé paralisa. Alguns rezam e voltam ao caminho de onde haviam parado. Já outros, se deixam levar pelo vento que sopra ao contrário.
Hoje é o dia que Deus reservou para mim e para você!
Na situação em que nos encontramos peçamos a Jesus, assim como Pedro pediu: “Senhor, salva-me” .
Persevere! Esse é o convite de Deus para nós.
Precisamos acreditar em Deus, jogar o medo para trás e dar passos largos. E em nome de Jesus esse medo será jogado fora!
 Deus sempre cumpre o que diz. Para Ele não faz diferença em providenciar algo simples que está faltando ou fazer um milagre em nossa vida. Porque Deus é fiel e para Deus nada é impossível. Hoje está difícil, o mundo te diz que não vai dá certo. Mas não se preocupe. Pois todos aqueles que veem hoje a sua situação difícil, verão amanhã a glória de Deus na sua vida.
Seja fiel no que Deus te pede, não seja omisso, apenas fite os olhos no Senhor que Ele não deixará vento nenhum te levar na direção contrária, ou até mesmo afundar. Só precisamos saber em quem estamos colocando a nossa confiança, deixemos Deus ser o Senhor das situações. Nenhuma tormenta pode tomar o lugar de Deus na nossa vida.
“Coragem! Sou Eu! Não tenha medo!” Disse Jesus para você e para mim.
Amém.  

Texto adaptado por Cicera de Matos. Pregação de Gilda Soares no louvor Viva Chama em 26 de Agosto de 2012.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Terço: como bem rezá-lo

O Terço é uma das devoções mais queridas de Nossa Senhora

Aparecendo em Fátima, ela pediu aos pastorzinhos: "Meus Filhos, rezemos o TERÇO todos os dias".

Não rezamos para Maria, rezamos com Maria

O terço foi criado para o povo que, ao rezá-lo, seguindo os mistérios gozosos, dolorosos e gloriosos, iam revendo a vida e a missão de Cristo, a história da salvação e, ao mesmo tempo, iam desenvolvendo a devoção a Maria, pedindo a sua intercessão. Mais tarde, o Papa João Paulo II, numa sábia inspiração do Espírito Santo, por meio do documento pontifício O Rosário da Virgem Maria criou os mistérios luminosos, que meditam o cerne da mensagem de Cristo, seus ensinamentos, seu exemplo. 

O terço nos coloca em comunhão com a Igreja em oração. Rezá-lo é fazer um exercício de solidariedade espiritual.
Se estivermos deprimidos ou mesmo com insônia, é bom experimentarmos rezar o terço. É um ótimo calmante e não é tóxico. Basta segurar as contas como quem segura na mão de Maria, de quem nos vem a certeza de que não estamos sozinhos. Jesus está perto de nós!
Crianças, jovens e idosos, sábios e simples, todos podem encontra o sentido na oração. O terço é uma forma de aprender a rezar. Seria bom se procurássemos, a cada dia, descobrir a sua atualidade e fazer dele uma de nossas orações prediletas.
Podemos, por meio do terço, rezar por nossos amigos, parentes e também por aqueles que não são tão amigos, mas necessitam de oração. Podemos também anexar às nossas preces um gesto de promoção humana.
Nos dias agitados de hoje, neste mundo em que a tecnologia cada vez mais se desenvolve, mas que o amor, a fraternidade, a tolerância cada vez mais são deixados de lado, o terço é uma fonte de paz. Vamos rezá-lo para contemplar os mistérios da nossa fé!


Os Mistérios do Rosário e seus frutos:

*Mistérios Gozosos (às segundas e quintas-feiras)

Anunciação do Anjo a N. Senhora  - A humildade
Visitação a Santa Isabel A caridade  - fraterna
Nascimento de Jesus  - O espírito de pobreza
Apresentação de Jesus no templo - A castidade e a obediência
Perda e o encontro do Menino Jesus - A procura de Deus em todas as coisas

*Mistérios Dolorosos (às terças e sextas-feiras)

A agonia no Jardim das Oliveiras - A detestação dos pecados
A flagelação de Nosso Senhor - A mortificação da carne
A coroação de espinhos - A mortificação do orgulho
Jesus carrega a Cruz ao Calvário - A paciência nas tribulações
A crucifixão e morte de Nosso SenhorA mortificação do espírito

*Mistérios Gloriosos (às quartas-feiras, sábados e domingos)

A Ressurreição de N. Senhor - A Fé
A Ascenção ao Céu - A Esperança e desejo do céu
A vinda do Espírito Santo - A Caridade
A Assunção de N. Senhora - A graça de uma boa morte
A Coroação de N. Senhora - A devoção filial por N. Senhora


.


Fonte: Canção Nova, catolicosalerta.wordpress.comImagem: Internet 

Carisma Viva Chama


 Carismas "são dons especiais do Espírito, concedidos a alguém para o bem dos homens, para as necessidades do mundo e, em particular, para a edificação da Igreja" (Compêndio do Catecismo da Igreja Católica n. 160). O Fundador da comunidade Viva Chama, Erivam Bezerra Ribeiro (Vanzinho), nem tinha consciência do que hoje se transformaria a comunidade Viva Chama. Era um homem simples que abandonou tudo pelos mais necessitados, pra cumprir com um chamado especial que o Espirito Santo incutiu em seu coração. Hoje a comunidade é composta por pessoas que nem conheceram o fundador, que hoje se encontra na morada eterna, mas são pessoas que tem em comum o amor pelos mais pobres, a alegria de servir a Deus e o coração em chamas pronto a incendiar e contagiar todos aqueles que estão ao seu redor.
“Ser inflamado para amar, adorar e revelar esta viva chama do Sagrado Coração de Jesus, que arde com muita força para amar a humanidade por inteiro, principalmente os mais pecadores de todos.”

Fomos marcados desde toda a eternidade por DEUS, fomos escolhidos para viver uma magnífica vocação, a dos miseráveis, que estão sendo inflamados pelo Seu Sagrado Coração, chamados a vocação de ser testemunho vivo e sinal de salvação pra humanidade. Mas para isso DEUS não escolheu os melhores ou os mais capazes, mas sim, os mais pecadores e miseráveis aos que os olhos humanos séria impossível, mas pra DEUS nada é impossível. (Lc 1,37) A nossa vocação é acima de tudo um chamado a ser VIVA CHAMA para o mundo. DEUS que é autor do chamado é quem escolhe, quem chama, assim só podemos responder como MARIA: sim, faça-se em mim a tua vontade.
Que alegria, magnífica é descobrir a nossa vocação, é CRISTO quem chama: “Teu nome gravado está, nas minhas mãos e no meu Sagrado Coração”. Não por presunção, mas por graça Divina. E nessa alegria de ser escolhido por DEUS que possamos ter a coragem de dizer: SIM! Este Deus de Amor e Bondade nos faz um chamado para uma missão: evangelizar! Essa é a nossa missão levar o Evangelho a toda criatura como disse Jesus. (Marcos 16,15) Existimos para ser sinal da presença de DEUS no povo e na igreja. Temos como missão testemunhar o Cristo que nos chama, e difundir a mensagem salvífica do evangelho.

Necessitamos estar sempre disponíveis a servir à Igreja, a romper fronteiras e fazer com que a humanidade “VIVA” a experiência com o amor que cura, salva e liberta, esta mesma que um dia tivemos. A nossa vocação tem como essência primeira a caridade aos mais excluídos e por isso precisa ser vivenciado a exemplo do nosso Fundador, que amou até um ponto de se doar para os mais carentes em sua total dimensão de pobreza 
(Regimento Interno e Estatuto Civil da Comunidade Viva Chama Parte 1 pagina 2.)
Equipe de Formação Comunidade Viva Chama

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

O TERÇO E O ROSÁRIO


“O rosário é para todos uma fonte de benefícios inapreciáveis.
Eleva-nos insensivelmente ao conhecimento perfeito de Jesus
Cristo, purifica as nossas almas do pecado, abrasa-nos do
amor a Nosso Senhor e enriquece-nos de graças e de méritos”
(S. Luiz Maria G. De Montfort)

A Santa Igreja sempre nos ensinou que o Terço é uma oração completa, pois abrange a oração vocal, a meditação e a contemplação dos mistérios de Deus. Nossa Senhora, nossa Mãe, em todas as ocasiões em
que se dignou aparecer aos seus mais humildes filhos (La Salette, Lourdes, Fátima) sempre insistiu para que rezássemos todos os dias o santo Terço. Se é verdade que algumas pessoas encontram certa dificuldade em rezá-lo, também é certo que aquelas que conseguiram vencer estas dificuldades testemunham da riqueza de graças que descobriram ao passar a rezá-lo com freqüência. Nada mais saudável para as famílias do que reunir os filhos em torno da imagem de Nossa Senhora para dirigir a Ela nossas súplicas, no meio de tantas
necessidades e perigos.
“No rosário tenho encontrado os atrativos mais suaves, mais eficazes e mais poderosos para me unir com Deus!” (Santa Teresa de Jesus) O Santo Rosário foi dado á Igreja por São Domingos que o recebeu da Bem Aventurada Virgem Maria como um meio poderoso de converter os albigenses e outros pecadores.
Uma noite, enquanto estava em oração profunda, Nossa Senhora lhe apareceu, com o Rosário na mão, e lhe disse: "Tenha bom ânimo, Domingos. O remédio para os males que lamentas será a meditação na vida, morte e glória do meu Filho, unindo tudo isto com a recitação da Ave Maria, através da qual o milagre da redenção foi anunciado ao mundo. Esta devoção, que tu ensinarás pela pregação, é muito considerada por meu Filho e por Mim. Com ela os fiéis obterão vantagens, e sempre me encontrarão pronta a ajudá-los nos seus desejos. Este é o dom precioso que deixo para ti e para os teus filhos espirituais". Desde quando São Domingos estabeleceu a devoção ao Santo Rosário e o Bem-aventurado Alano de la Roche o restabeleceu em 1460, ele foi chamado de O Saltério de Jesus e Maria, devido ao fato de possuir o mesmo número de saudações angélicas (Ave-Marias) como os 150 salmos de Davi.

A palavra Rosário quer dizer “coroa de rosas”, ou seja, toda vez que se reza o Santo Rosário de maneira devota, coloca-se uma coroa de 153 rosas vermelhas e dezesseis rosas brancas nas cabeças de Jesus e Maria. A rosa é a rainha das flores e o Rosário, depois da Santa Missa, é a melhor das devoções, pois é uma obra direta da Santíssima Trindade e não foi feito através de um instrumento humano.
No Brasil temos um belo e heroico exemplo das graças e bênçãos recebidas pela oração do Santo Rosário. Em 1964, católicos - homens e mulheres - vão às ruas com o terço nas mãos pedir, pela intercessão da
Virgem Santíssima, para que o mal do comunismo se afastasse de nosso país. “Com o rosário nada tememos”, eram os dizeres das faixas que ajudaram a garantir a vitória frente à maldição comunista. A vitória de Nossa Senhora.
“O Rosário é, pelas almas, como o
Pão Espiritual de cada dia”
(Irmã Lucia)

“Rezai o terço todos os dias”
(Nossa Senhora de Fátima)

Fonte: catolicosalerta.wordpress.com
Imagem: Internet 

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

A paciência do povo de Deus


A paciência do povo de Deus foi o tema da homilia do Papa Francisco, na missa presidida esta manhã na Casa Santa Marta.

“A paciência não é resignação, é outra coisa”: disse o Pontífice, comentando a Carta de S. Tiago onde diz: “Tende por motivo de grande alegria o serdes submetidos a múltiplas provações”. 

“Parece um convite a ser um faquir, mas não é assim”, observou Francisco. A paciência, saber suportar as provações, “as coisas que não queremos”, faz “amadurecer a nossa vida”. Quem não tem paciência quer tudo imediatamente, rápido. Quem não conhece a sabedoria da paciência é um pessoa manhosa, como as crianças que fazem manhas” e nada vai bem. “A pessoa que não tem paciência é uma pessoa que não cresce, que permanece nos caprichos de criança, que não sabe lidar com a vida: ou isso ou nada. Esta é uma das tentações: se tornar manhoso”. “Outra tentação dos que não têm paciência – afirmou o Papa – é a onipotência de querer uma coisa já, como acontece aos fariseus que pedem a Jesus um sinal do céu: “Eles queriam um espetáculo, um milagre”:

Confundem o modo de agir de Deus com o modo de agir de um bruxo. E Deus não age como um bruxo, mas com o seu modo de ir avante. A paciência de Deus. Ele também tem paciência. Toda vez que nós vivemos o sacramento da reconciliação, cantamos um hino à paciência de Deus! Mas com quanta paciência o Senhor nos carrega sobre seus ombros! A vida cristã deve desenrolar-se nesta música da paciência, porque foi justamente a música dos nossos pais, do povo de Deus, dos que acreditaram na Palavra Dele, que seguiram o mandamento que o Senhor deu ao nosso pai Abraão: ‘caminha na minha presença e sê irrepreensível’. 

O povo de Deus – afirmou ainda o Francisco citando a Carta aos Hebreus – “sofreu muito, foram perseguidos, mortos”, mas teve “a alegria de vislumbrar as promessas” de Deus. “Esta é a paciência” que “nós devemos ter nas provações: a paciência de uma pessoa adulta, a paciência de Deus” que nos carrega sobre seus ombros. E esta – prosseguiu – é “a paciência do nosso povo”: 

Como o nosso povo é paciente! Ainda hoje! Quando vamos às paróquias e encontramos as pessoas que sofrem, que têm problemas, que têm um filho com deficiência ou têm uma doença, mas levam avante a vida com paciência. Não pedem sinais, como esses do Evangelho, que queriam um sinal. Não, não pedem, mas sabem ler os sinais dos tempos: sabem que quando o figo germina, chega a primavera; sabem distinguir isso. Ao invés, esses impacientes do Evangelho de hoje, que queriam um sinal, não sabiam ler os sinais dos tempos, e por isso não reconheceram Jesus. 

O Papa concluiu sua homilia louvando as “pessoas do nosso povo, gente que sofre, que sofre tantas coisas, mas não perde o sorriso da fé, que tem a alegria da fé”:

E essa gente, o nosso povo, nas nossas paróquias, nas nossas instituições, é quem leva avante a Igreja, com a sua santidade, de todos os dias, de cada dia. ‘Irmãos, tende por motivo de grande alegria o serdes submetidos a múltiplas provações, pois sabeis que a vossa fé, bem provada, leva à perseverança; mas é preciso que a perseverança produza uma obra perfeita, a fim de serdes perfeitos e íntegros sem nenhuma deficiência’ (Tg 1, 2-4). Que o Senhor nos dê a todos nós a paciência, a paciência alegre, a paciência do trabalho, da paz, nos dê a paciência de Deus, aquela que Ele tem, e nos dê a paciência do nosso povo fiel, que é tão exemplar”.


Texto proveniente do site da radio vaticana. página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/02/17/francisco:_a_paci%C3%AAncia_do_povo_de_deus_leva_a_igreja_avante/bra-773842
do site da Rádio Vaticano 

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Projeto Sopão ha 17 anos levando alimento aos pequeninos do Senhor.


Inspirados pela luz do evangelho no ano de 1997, O fundador da Comunidade Viva Chama (Erivan Bezerra Ribeiro, “Vanzinho”) em comunhão com um grupo de jovens dava inicio ao projeto sopão, na época o chamado a comunidade de aliança ainda era amadurecido no coração do fundador.
A sopa era feita pela mãe de um dos jovens e distribuída por eles, surgiu ai a ação de caridade que sustenta até hoje a vida missionária na comunidade Viva Chama. Hoje o grupo de Jovens aumentou e amadureceu na forma de comunidade de aliança, a sopa graças à ajuda de vários colaboradores virou o projeto Sopão, que é distribuída em três dias da semana, segunda, terça e quarta. Alimentando mais de 200 famílias nos Bairros Vila Eduardo e Henrique Leite, além de varias outras pessoas desabrigadas que moram nas ruas do centro de Petrolina.

O projeto sopão leva alimento a pessoas necessitadas, muitos vivem no vicio do álcool, outros são desabrigados. Mas todos tem em comum o titulo de filhos de Deus, por isso tantos colaboradores são inspirados pelo Espirito Santo, obedecendo a ordem do Senhor realizam fielmente esse trabalho ha décadas. ...tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver. Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes (Mateus 25:34-40).






João Paulo Ribeiro; Membro da Comunidade Viva Chama 

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Como se vive a Eucaristia?


CATEQUESE
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014
Boletim da Santa Sé
Tradução: Jéssica Marçal
Queridos irmãos e irmãs, bom dia,
Na última catequese, destaquei como a Eucaristia nos introduz na comunhão real com Jesus e o seu mistério. Agora podemos nos colocar algumas perguntas sobre a relação entre a Eucaristia que celebramos e a nossa vida, como Igreja e como cristãos individualmente. Como vivemos a Eucaristia? Quando vamos à Missa aos domingos, como a vivemos? É somente um momento de festa, é uma tradição consolidada, é uma ocasião para se encontrar ou para sentir-se bem, ou é algo a mais?
Há alguns sinais muito concretos para entender como vivemos tudo isso, como vivemos a Eucaristia; sinais que nos dizem se nós vivemos bem a Eucaristia ou não a vivemos tão bem. O primeiro indício é o nosso modo de olhar e considerar os outros. Na Eucaristia, Cristo realiza sempre novamente o dom de si que fez na Cruz. Toda a sua vida é um ato de total partilha de si por amor; por isso Ele amava estar com os discípulos e com as pessoas que tinha oportunidade de conhecer. Isto significava para Ele partilhar os desejos deles, os seus problemas, aquilo que agitava as suas almas e suas vidas. Agora nós, quando participamos da Santa Missa, encontramo-nos com homens e mulheres de todo tipo: jovens, idosos, crianças, pobres e ricos; originários do lugar ou de fora; acompanhados por familiares ou sozinhos… Mas a Eucaristia que celebro leva-me a senti-los todos, realmente, como irmãos e irmãs? Faz crescer em mim a capacidade de alegrar com quem se alegra, de chorar com quem chora? Impele-me a seguir rumo aos pobres, aos doentes, aos marginalizados? Ajuda-me a reconhecer neles a face de Jesus? Todos nós vamos à Missa porque amamos Jesus e queremos partilhar, na Eucaristia, a sua paixão e a sua ressurreição. Mas amamos, como quer Jesus, aqueles irmãos e irmãs mais necessitados? Por exemplo, em Roma, nestes dias vimos tantos problemas sociais ou pela chuva que fez tantos danos a bairros inteiros, ou pela falta de trabalho, consequência da crise econômica em todo o mundo. Pergunto-me, e cada um de nós se pergunte: eu que vou à Missa, como vivo isto? Preocupo-me de ajudar, de aproximar-me, de rezar por aqueles que têm este problema? Ou sou um pouco indiferente? Ou talvez me preocupo de fofocar: viu como está vestida aquela, ou como está vestido aquele? Às vezes se faz isso, depois da Missa, e não se deve fazer! Devemos nos preocupar com os nossos irmãos e irmãs que têm necessidade por causa de uma doença, de um problema. Hoje, fará bem a nós pensar nestes nossos irmãos e irmãs que têm este problema aqui em Roma: problemas pela tragédia provocada pela chuva e problemas sociais e de trabalho. Peçamos a Jesus, que recebemos na Eucaristia, que nos ajude a ajudá-los.
Um segundo indício, muito importante, é a graça de sentir-se perdoados e prontos a perdoar. Às vezes alguém pergunta: “Por que se deveria ir à igreja, visto que quem participa habitualmente da Santa Missa é pecador como os outros?”. Quantas vezes ouvimos isso! Na realidade, quem celebra a Eucaristia não o faz porque se acredita ou quer parecer melhor que os outros, mas propriamente porque se reconhece sempre necessitado de ser acolhido e regenerado pela misericórdia de Deus, feita carne em Jesus Cristo. Se algum de nós não se sente necessitado da misericórdia de Deus, não se sente pecador, é melhor que não vá à Missa! Nós vamos à Missa porque somos pecadores e queremos receber o perdão de Deus, participar da redenção de Jesus, do seu perdão. Aquele “Confesso” que dizemos no início não é “pro forma”, é um verdadeiro ato de penitência!  Eu sou pecador e o confesso, assim começa a Missa! Não devemos nunca esquecer que a Última Ceia de Jesus aconteceu “na noite em que foi traído” (1 Cor 11, 23). Naquele pão e naquele vinho que oferecemos e em torno do qual nos reunimos se renova toda vez o dom do corpo e do sangue de Cristo para a remissão dos nossos pecados. Devemos ir à Missa humildemente, como pecadores e o Senhor nos reconcilia.
Um último indício precioso nos vem oferecido pela relação entre a celebração eucarística e a vida das nossas comunidades cristãs. É necessário sempre ter em mente que a Eucaristia não é algo que fazemos nós; não é uma comemoração nossa daquilo que Jesus disse e fez. Não. É propriamente uma ação de Cristo! É Cristo que age ali, no altar. É um dom de Cristo, que se torna presente e nos acolhe em torno de si, para nutrir-nos da sua Palavra e da sua vida. Isto significa que a missão e a identidade própria da Igreja surge dali, da Eucaristia, e ali sempre toma forma. Uma celebração pode ser também impecável do ponto de vista exterior, belíssima, mas se não nos conduz ao encontro com Jesus Cristo arrisca não levar alimento algum ao nosso coração e à nossa vida. Através da Eucaristia, em vez disso, Cristo quer entrar na nossa existência e permeá-la pela sua graça, de forma que em toda comunidade cristã haja coerência entre liturgia e vida.
O coração se enche de confiança e esperança pensando nas palavras de Jesus reportadas no Evangelho: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia” (Jo 6, 54). Vivamos a Eucaristia com espírito de fé, de oração, de perdão, de penitência, de alegria comunitária, de preocupação pelos necessitados e pelas necessidades de tantos irmãos e irmãs, na certeza de que o Senhor cumprirá aquilo que nos prometeu: a vida eterna. Assim seja!

Texto extraído do site: http://papa.cancaonova.com/catequese-com-o-papa-francisco-12022014/ 

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Unidade na Diversidade




Como podemos ser unidos como igreja se somos tão diferentes?
Somos diferentes, temos pensamentos divergentes e muitas vezes emperramos a graça que Deus tem para nossa igreja, nossa comunidade, simplesmente por que não entendemos que somente em Deus, somente em Jesus Cisto, seremos um só corpo (1 Cor 12). Deus desejou a nossa diferença “Deus dispôs os membros, e cada um deles, no corpo conforme quis...”(1Cor 12,18). Por isso somos dotados de dons, numa comunidade somos chamados a sermos solícitos uns com os outros, somos obrigados a viver em comunhão. Não por imposição dos homens, mas, para cumprir com o chamado de Deus, com o plano de salvação que Deus tem para cada um de nós, “Que nos amemos uns aos outros” (1 João 3,11). Viver em comunidade é viver para ser o menor entre todos, o menos visto, ocupar o menor cargo, o de servo de Cristo, “Aquele que entre todos vós for o menor, esse é o maior” (Lucas 9,48). Jesus ainda nos compara com a videira, uma planta onde o tronco junto com as raízes é o próprio Cristo e nós somos os ramos, e precisamos ser ramos que produzem frutos uns muitos outros poucos, conforme a graça de Deus. Jesus veio ao mundo para curar nossas feridas (Marcos 6,53-56), para nos libertar da escravidão do pecado. Assim somos curados para amar, ao recebermos a graça somos impulsionados a distribuir o amor com o qual fomos amados. Por isso Cristo pede pra que sejamos sal e luz, pede pra sermos anunciadores da boa nova e para isso Ele nos deixa o Espirito Santo, aquele unifica e iguala a todos num só corpo.
Meu irmão nesse momento peça a graça do Espirito Santo em sua vida!
Mesmo que todos os dias você na sua oração pessoal já o peça, insista também no decorrer do dia suplique a força do Espirito Santo de Deus. “Ninguém será capaz de dizer: ‘Jesus é o Senhor’, a não ser sob influencia do Espirito Santo” (1 Cor 12, 3). Espirito Santo que faz a união de uma grande diversidade de pessoas, cada um com sua dor, com sua cruz, chagadas pelas dificuldades da vida, mas pessoas que foram levantadas das cinzas e assim disseram Sim a vontade de Deus, e por isso seguem uma vocação santa. Acender o amor de Cristo nos corações mais pobres!
Isso é ser Viva Chama! 

João Paulo Ribeiro Membro da Comunidade Viva Chama




     

Papa Francisco no Angelus


 "Cristãos devem ser pessoas luminosas e dar sabor aos ambientes. Se a luz apaga, a vida perde o sentido"




 Ao meio-dia deste domingo o Papa Francisco assomou à janela do apartamento pontifício - que dá para a Praça São Pedro - para a tradicional Oração Mariana do Angelus. Na sua reflexão, o Pontífice meditou sobre o Evangelho do dia, no qual Jesus pede aos discípulos para serem ‘Sal da terra e luz do mundo”.

Ao iniciar sua meditação, Francisco observou que os discípulos de Jesus eram pescadores, pessoas simples, “mas Jesus os vê com os olhos de Deus”. Ao exortá-los para serem “sal da terra e luz do mundo”, queria dizer: "se fordes pobres de espírito, humildes, puros de coração, misericordioso, vós sereis o sal da terra e a luz do mundo", o que pode ser compreendido como uma consequência das Bem-aventuranças.

Então explicou o significado destas imagens, no contexto da época:

Para compreender melhor estas imagens, tenhamos presente que a Lei judaica prescrevia a colocação de um pouco de sal sobre cada oferta apresentada a Deus, como sinal de aliança. A luz, assim, era para Israel o símbolo da revelação messiânica que triunfa sobre as trevas do paganismo. Os cristãos, novo Israel, recebem então a missão diante de todos os homens: com a fé e com a caridade podem orientar, consagrar, tornar fecunda a humanidade”. 
“Todos nós batizados somos discípulos missionários – enfatizou o Santo Padre – e somos chamados a nos tornar no mundo um Evangelho vivo”:

“Com uma vida santa, daremos sabor aos diversos ambientes e os defenderemos da corrupção, como faz o sal; e levaremos a luz de Cristo com o testemunho de uma caridade autêntica. Mas se nós cristãos perdemos o sabor, apagamos a nossa presença de sal e luz, perdemos a eficácia. Mas, que bonita é esta missão que temos. Como é bonita!”. 

E falando de improviso, continuou:

“É também muito bonito conservar a luz que recebemos de Jesus. Guardá-la. Conservá-la. O cristão deveria ser uma pessoa luminosa, que traz a luz, que sempre dá luz. Uma luz que não é sua, mas é um presente de Deus, o presente de Jesus. E nós levamos em frente esta luz. Se o cristão apaga esta luz, a sua vida não tem sentido: é um cristão somente de nome, que não leva a luz, uma vida sem sentido”.
Neste ponto, o Papa Francisco dirigiu-se aos milhares de fiéis e peregrinos presentes na Praça São Pedro e perguntou reiteradamente se queriam ser uma lâmpada acesa ou apagada: “Como vocês querem viver? Como uma lâmpada acesa ou como uma lâmpada apagada? Acesa ou apagada?, insistiu. “É justamente Deus que nos dá esta luz e nós a damos aos outros. Lâmpada acesa. Esta é a vocação cristã”, afirmou.

Após, Francisco recordou que em 11 de fevereiro será celebrada a memória da Virgem de Lourdes e o Dia Mundial do Enfermo.

Ao final do encontro dominical, o Santo Padre enviou sua saudação aos participantes dos Jogos de Inverno que se realizam em Sochi, na Rússia, saudou todos os presentes na Praça São Pedro - provenientes de diversas partes do mundo e da Itália - e recordou de forma especial os atingidos pelas catástrofes naturais:

“Rezo por todos que estão sofrendo danos e desconforto devido às calamidades naturais, em diversos países - também aqui em Roma. Estou próximo a eles. A natureza nos desafia a sermos solidários e atentos à custódia da Criação, também para prevenir, o quanto possível, conseqüências mais graves”.
Antes da tradicional despedida de "bom domingo e bom almoço”, Francisco dirigiu-se à multidão reunida na Praça São Pedro e perguntou novamente: “Quereis ser lâmpada acesa ou apagada?”.



 Cidade do Vaticano (RV) 
Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/02/09/papa_no_angelus:_crist%C3%A3os_devem_ser_pessoas_luminosas_e_dar_sabor/bra-771673
do site da Rádio Vaticano